Segurança da informação e proteção de dados na pandemia da Covid-19

A pandemia do Covid-19 impulsionou uma prática já adotada em diversas indústrias em todo o mundo: o regime home office. Com grande parte da população trabalhando de casa, o uso da internet se tornou mais intenso e os riscos na proteção de dados e da segurança da informação mais evidentes. 

Para garantir que o trabalho seja feito de forma mais segura, separamos alguns dos principais riscos para ficar alerta e proteger os dados e informações trocadas. Acompanhe:

Segurança contra malwares e spywares

Embora o regime de home office dê mais liberdade para os profissionais trabalharem, é importante que o acesso à páginas e plataformas de terceiros sejam evitadas enquanto o sistema de trabalho está em uso. 

Muitas páginas utilizam de popups para serem financiadas e nem sempre é possível garantir que elas são seguras. Caso a máquina acidentalmente pegue um vírus, é possível que ele seja transmitido ao servidor da empresa por meio da conexão e deletar, corromper ou expor dados sigilosos. 

Cuidado com o phishing

A prática do phishing, embora ultrapassada, ainda atinge milhões de pessoas em todo o mundo. Trata-se de mensagens de email maliciosas, com o intuito de induzir o usuário a clicar em links ou baixar anexos do corpo do email. 

Da mesma forma citada para os malwares e spywares, os vírus podem ser transmitidos para a plataforma de trabalho e consequentemente aos servidores, podendo gerar prejuízos e perdas irreparáveis de dados e divulgação de informações privilegiadas. 

Dispositivos pessoais

Somente utilize dispositivos pessoais para o acesso remoto ou login na plataforma profissional caso não haja escolha. Os computadores e dispositivos pertencentes às empresas geralmente possuem diversos protocolos de segurança instalados, visando garantir a privacidade dos dados e impedir invasões e malefícios que possam ser gerados por acessos não comuns. 

Os computadores e dispositivos pessoais podem não apresentar tais configurações de segurança e se tornar um risco para a empresa caso haja algum arquivo malicioso ou ocorra algum hackeamento do dispositivo ou computador. 

Redes públicas

Embora não seja possível utilizar redes públicas de locais fechados, como shoppings e cafés, algumas pessoas podem se aproveitar de redes públicas disponibilizadas em praças, prédios residenciais etc. 

As redes públicas são alvos mais fáceis para hackers, visto que não possuem protocolos de segurança de acesso e controle de usuários. O ideal é que a rede utilizada seja privada e preferencialmente de controle total do usuário, podendo verificar quem está utilizando e garantir a segurança por criptografia, firewall e senhas mais fortes. 

Plataformas digitais

Muitas empresas estão realizando videoconferências com seus colaboradores a fim acompanhar o andamento dos projetos e do dia a dia de trabalho. A prática, embora bastante promissora, pode representar problemas para as empresas com falhas de segurança. 

Recentemente foi descoberta uma falha em uma das plataformas mais utilizadas em todo o mundo para videoconferência profissional e pessoal, com o vazamento de dados de mais de 500 mil contas. É de extrema importância que as reuniões sejam feitas por meio de plataformas seguras e de confiança, evitando assim possíveis vazamentos de dados e exposição de informações sigilosas. 

Com uma imensa migração de profissionais para regimes de trabalho em casa, devemos estar sempre atentos às seguranças digitais e à novas técnicas de proteção de dados disponíveis. É importante que os colaboradores e as empresas estejam preparados e capacitados para tornar o trabalho mais seguro e produtivo. 

Gostou da nossa matéria? Clique aqui e conheça algumas das dicas sobre como se proteger na internet nesse período de isolamento social!